Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ele há dias...

... em que me apetece dizer disparates e escrever o que me vem à cabeça, sem me preocupar em ser politicamente correcta. Este espaço vai servir para isso (pelo menos não gasto papel!).

Ele há dias...

... em que me apetece dizer disparates e escrever o que me vem à cabeça, sem me preocupar em ser politicamente correcta. Este espaço vai servir para isso (pelo menos não gasto papel!).

04
Ago09

Objetivo 2: Atingir o acesso universal ao ensino fundamental

Mäyjo

 

RAJASTÃO, ÍNDIA
Kaima vive no Rajastão, no deserto de Thar – areia vermelha que reveste as rochas mais antigas do planeta. O chão lembra o fundo de um mar seco: pedregulho e rachaduras na areia compacta - e silêncio.
Essas condições geográficas exigem um enorme trabalho de Kaima e de sua família pobre.
As mulheres da família são analfabetas. Todas foram ofercidas em casamento ainda quando bebês, Kaima inclusive. Mas ela foi a primeira, após inúmeras gerações que a precederam, que aprendeu tanto a ler e a escrever e quanto a ter certo controle sobre sua própria vida. Embora aparente ainda menos que seus 12 anos pela voz estridente e corpo franzino, já demonstra bastante sofisticação para sua idade.
 
 
 
 
Kaima preside uma reunião de mais de cinquenta mulheres que organizam uma manifestação que será realizada na cidade de Phalodi, com o intuito de exigir mais água. Elas acusam um funcionário público de não distribuir água suficiente e seus parentes o defendem. A voz de Kaima se faz ouvir acima do burburinho.
Até um ano atrás, essa energia se voltava basicamente para as tarefas domésticas. Desde aquela época, Kaima fez um curso intensivo, e esclarecedor, de quatro meses num acampamento. Ela concluiu a quinta série e estudou ciências, matérias voltadas para a saúde e tecnologia. Conscientizou-se de que tinha direito à igualdade e revelou especial talento para o serviço social.
Sua transformação foi rápida e difícil. A avó materna a levou de volta para casa pouco depois que ela havia começado a estudar. Seu marido, que também era criança, havia concluído apenas a terceira série e o nível mais alto de instrução dela iria causar problemas mais tarde, quando eles fossem morar juntos. O pai a levou de volta para a escola. Mais tarde, alunas de casta superior se recusaram a permitir que ela jantasse com elas e a expulsaram de seus dormitórios. Mas Kaima se superou e acabou sendo eleita oradora da cerimônia de encerramento das aulas.
Em sua aldeia, no noroeste da Índia, não há escolas. A taxa de mortalidade materno-infantil é elevada e há escassez de remédios e alimentos. Muitas mulheres têm mais filhos do que desejariam e, às vezes, mais do que a família é capaz de sustentar. Como são as últimas a comer, as mulheres comem menos.
Kaima está tentando escapar desse futuro. Ela quer ser piloto militar e, na busca por esse ideal, ela vai transformando sua família.
 
“Você não é obrigada a ir morar com seu marido na adolescência?”
“Não. Somente quando fizer 18 anos. Minha mãe diz que primeiro eu preciso estudar, trabalhar e ser capaz de me manter por conta própria.”
A mãe acrescenta:
“Não vou mandá-la viver com o marido enquanto ela não terminar os estudos, mesmo que isso leve mais cinco ou seis anos. Nem eu nem minhas filhas mais velhas pudemos estudar e isso arruinou nossas vidas”. 
 
O dia começa na aldeia de Kaima. Cantarolando, ela lava o rosto e os pés no pátio, onde dezenas de pardais chilreiam numa acácia. Sendo a mais velha das filhas que ainda moram em casa, Kaima tem uma manhã atarefada pela frente. Depois de trazer lenha, ajuda a limpar a casa, pegar água e dar comida às cabras e cozinha.
Em seguida, ela vai ler o Corão em sua cama. Sobre as prateleiras perto da parede estão os objetos da família: utensílios de cozinha feitos de alumínio e fotos do pai, que trabalha na cidade. Recibos de doações para uma escola religiosa repousam sobre um pequeno prato.
Ouve-se a voz de Kaima, a murmurar uma prece.
Do telhado, estão pendurados dois aviões de papel, um verde e um vermelho. A mãe os fez para “fortalecer a ambição” da filha, que precisa de toda a ajuda possível para superar a inércia da pobreza e criar coragem para enfrentar o desafio.
Kaima termina suas orações matinais, beija o Corão e o repõe cuidadosamente em seu estojo de pano.

 

http://www.unfpa.org.br/conquistandosonhos/kaima/fotoskaima.htm

 

04
Ago09

ODM 2 - Atingir o ensino básico universal - Kaima, 12 anos

Mäyjo

Kaima, uma menina de 12 anos, é a primeira mulher na história de sua família a aprender a ler e escrever. Seu sonho é continuar a estudar para ser piloto da Força Aérea. A OnG Doosra Dashak (“Segunda Década”) no Rajastão, Índia, está ajudando Kaima a perseguir seu sonho, fornecendo-lhe educação. Por propiciar treinamento profissionalizante para jovens de 11 a 20 anos, e prepará-los para a vida, a OnG objetiva fornecer melhores condições para que os jovens possam enfrentar o período de transição para a fase adulta. A organização procura ajudar a produzir mudanças sociais e econômicas, mediante o desenvolvimento de uma nova geração de cidadãos informados e responsáveis.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

03
Ago09

Objetivo 1: Erradicar a pobreza extrema e a fome

Mäyjo

 

KAMPALA, UGANDA
Caso raro na favela de Kamwokya, em Kampala, capital de Uganda, Silvia tem 15 anos e ainda não tem filhos. Mais surpreendente é o fato de que ela e o companheiro praticam sexo seguro. Mas, na vida de Sílvia, há pouco espaço para o amor. Ela vive num mar tempestuoso, no qual tem sobrevivido somente por assumir riscos cuidadosamente calculados.
Sílvia vai à igreja todos os domingos e pede a Deus que não a deixe ficar grávida ou contrair aids. Tem medo de homens que queiram condená-la a um futuro restrito a ter filhos, cuidar da casa e ficar doente.
Voz suave e fala mansa, Sílvia raramente ri. No entanto, por trás dessa aparência, ela vive num estado permanente de alerta, à espreita de perigos, mas também de oportunidades.
Alta e esguia, Silvia anda graciosamente. Com uma objetividade tranqüila, ela diz que aceitou viver com Charles porque passava fome e precisava de roupa e de um lugar para morar.
Não se trata de trapaça ou de mau caráter, mas de sobrevivência. Seu companheiro Charles tem a mesma atitude.
“Estava sozinho e precisava de companhia e de alguém que cuidasse da casa”, diz ele. Alugou um barraco de 3 x 2 metros com o dinheiro que ganha ocasionalmente como auxiliar de motorista na linha de microônibus da cidade.
Charles tem um sorriso triste e ingênuo. Triste ele pode ser, mas não ingênuo, pois ele também conseguiu até agora escapar da aids e da paternidade.
Sílvia não se lembra dos pais, nem sabe a causa de sua morte. Órfã aos três anos, ela e seus quatro irmãos mais velhos foram colocados sob a custódia de uma avó no interior. Com dez anos, uma tia a levou para a cidade, uma favela em Kampala. Levava então uma vida normal para as circunstâncias e contexto social: era quem cuidava da casa em tempo integral. Em troca, a tia lhe pagava a escola. Os problemas começaram quando ela atingiu a puberdade.
A tia lhe deu trabalho como garçonete no seu restaurante. Ali, era permitido aos fregueses lhe passarem a mão. Depois que todos saíam, reclamava para a tia e discutia com ela, até que um dia a tia lhe deu uma surra.
Depois que ela saiu do restaurante, a tia deixou de lhe pagar a escola. Ela se juntou a uma turma de garotas que passavam a noite num bar. Dormia onde desse e comia o que pudesse.
Foi quando Charles apareceu em sua vida. Ele lhe ofereceu comida e um lugar no seu barraco, que dividem com outro casal. Em troca, ela cuida da casa e dele. Eles gostam um do outro e se respeitam, unidos num pacto de defesa mútua.
Agora, Sílvia está estudando, o que Charles permite, “porque ela é boa e está sempre em casa”. Num centro educacional de Kamwokya, ela está estudando religião e saúde reprodutiva, além de inglês comercial e técnica de secretariado. E ainda estuda costura, a fim de ter um ofício que lhe permita pagar os estudos futuramente.
Mas, o que ela deveria estudar?
Com apenas 15 anos, ela tem dedicado todas as suas energias ao estudo e está confiante de que, num futuro não muito distante, saberá o que fazer.
 
http://www.unfpa.org.br/conquistandosonhos/silvia/fotossilvia.htm
03
Ago09

ODM 1 - Erradicar a extrema pobreza e a fome, Sílvia, 15 anos

Mäyjo

Sílvia é uma ugandense de 15 anos cujos pais faleceram, deixando-a sem teto, comida ou roupas. Determinada a superar as precárias condições de vida, Silvia dedica todas as suas energias aos estudos. Ela freqüenta as aulas de uma OnG católica, a Kamwokya Christian Caring Community (KCCC). Esta OnG presta serviços comunitários e tem como objetivo melhorar a qualidade de vida, prover assistência social, empoderar os membros da comunidade e promover valores espirituais e humanos entre os segmentos mais carentes e vulneráveis de Kampala, Uganda. Entre outras coisas, a KCCC mantém uma escola para órfãos e crianças mais pobres, ministra cursos de profissionalização para jovens e ajuda mulheres vulneráveis a adquirirem autonomia, por meio de atividades rentáveis e treinamento.

02
Ago09

ODM - Objectivos de desenvolvimento para o milénio

Mäyjo

Mesmo em tempo de férias não consigo deixar de pensar em certas coisas, coisas SÉRIAS!

 

Assim, durante os próximos oito dias irei postar os objectivos de desenvolvimento para o milénio. são histórias de vida de oito jovens, de diferentes partes do mundo, que nos mostram como é possível dar a volta por cima, apesar de todas as adversidades.

 

Bons exemplos!

Pág. 4/4

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2023
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D